setembro 04, 2009

Vê se não vai demorar

My diary:

Aqui é úmido e mudo. Está muito escuro e sei que mais um passo que eu dê será o fim. Mas eu não posso mesmo mais andar.
Minhas asas me foram arrancadas e a ferida está doendo demais. E vai sangrar até que eu morra branca e fria. Mas eu me prometi uma vez que não seriam arrancadas lágrimas dos meus olhos jamais.


Quebrei a promessa.

Você também queraria se estivesse no meu lugar.
E aliás, todos quebram promessas. Uma ou mais vezes.

Não há mais fuga, mas eu ainda estou na esperança de você vir me resgatar. E ainda que eu saiba que você não o fará.
À que eu poderia me agarrar senão à única força que ainda me resta?
Não posso sair daqui só. Se você não vem, é aqui que me despeço.
Me salva por favor! Porque meus segundos estão acabando. E eu queria de verdade não morrer por aqui.
Me salva?
Eu te salvo tantas outras vezes...

Não precisa me devolver minhas asas que você tanto quis. E presente não se devolve.
Só me ensina a viver sem elas e me ajuda a fechar esta ferida. E segura o meu sangue pra eu viver. Depois disso eu consigo seguir. Prometo que os próximos passos são só meus.



Poesia da semana:

Lanterna dos Afogados
(Hebert Vianna)

Quando tá escuro
E ninguém te ouve
Quando chega a noite
E você pode chorar

Há uma luz no túnel dos desesperados
Há um cais de porto
Pra quem precisa chegar

Eu estou na lanterna dos afogados
Eu estou te esperando
Vê se não vai demorar

Uma noite longa
Pra uma vida curta
Mas já não me importa
Basta poder te ajudar
E são tantas marcas
Que já fazem parte
Do que eu sou agora
Mas ainda sei me virar

Eu tô na lanterna dos afogados
Eu tô te esperando
Vê se não vai demorar

6 comentários:

Mah disse...

O que eu posso dizer? AMO essa música... e o que vc escreveu se reflete um pouco do que eu estu sentindo!
bjs

Rodox disse...

Isso td me lembrou uma frase do TM: "Quero você inteira e minha metade de volta" Pois certas coisas como nossa metade não foi dada de presente e sim arrancada sem que percebessemos

marie disse...

Impressionante o poder das palavras. Amei

Natassja disse...

Adorei o texto. Lindo e triste.

Mah disse...

Não importa o quanto eu demore pra voltar a ler seu blog, ele sempre me surpreende! Adorei a sua poesia, realmente me emocionou! e o hebert... bem esse não precisa de comentários né? bjoos saudades disso aqui xD

Igor Pestana disse...

Machucou bastante